Ikebana

José Mujica: o ex-presidente que descobriu a felicidade na simplicidade

pepe-mujica_revoluciontrespuntocero-1

Quando observamos os conceitos wabi-sabi, somos remetidos imediatamente a exemplos orientais. Muitas pessoas no Ocidente já despertaram para esta realidade, como é o caso de José Mujica, ex-presidente do Uruguai.

Mujica, também conhecido como Pepe, recebia 12.500 dólares mensais por seu trabalho à frente do país, mas doava 90% de seu salário, ou seja, vivia com 1.250 dólares ou 2.538 reais ou ainda 25.824 pesos uruguaios. O restante do dinheiro era distribuído entre pequenas empresas e ONGs que trabalham com habitação.

“Este dinheiro me basta, e tem que bastar porque há outros uruguaios que vivem com menos”, diz o presidente.

Aos 77 anos, Mujica vive de forma simples, usando as mesmas roupas e desfrutando a companhia dos mesmos amigos de antes de chegar ao poder.

Além de sua casa, seu único patrimônio é um velho Volkswagen cor celeste avaliado em pouco mais de mil dólares. Como transporte oficial, usa apenas um Chevrolet Corsa. Sua esposa, a senadora Lucía Topolansky também doa a maior parte de seus rendimentos.

O ex-presidente chegou a oferecer sua residência oficial para abrigar moradores de rua durante o próximo inverno caso faltem vagas em abrigos oficiais do governo.

Ele pediu que fosse feito um relatório listando os edifícios públicos disponíveis para serem utilizados pelos desabrigados e, após os resultados, avaliará se há a necessidade da concessão da sede da Presidência. De acordo com a revista semanal Búsqueda, Mujica disponibilizou ainda o palácio de Suarez y Reyes, prédio inabitado onde ocorrem apenas reuniões de governo.

Na ocasião, uma moradora de rua e seu filho foram instalados na residência presidencial por sugestão de Mujica ao Ministério de Desenvolvimento Social. Logo após o convite, contudo, encontraram outro local para se alojar.

O presidente não mora em sua residência oficial, pois escolheu viver em seu sítio, localizado em uma área de classe média nas redondezas de Montevidéu. Nem mesmo seu antecessor, o ex-presidente Tabaré Vázquez, ocupou o palácio durante seu mandato. Ambos representam os dois primeiros governos marcadamente progressistas da história do Uruguai.

No inverno do ano passado, pelo menos cinco moradores de rua morreram por hipotermia. O fato causou uma crise no governo e acarretou na destituição da ministra de Desenvolvimento Social, Ana Vignoli.

Algumas frases valiosas de Mujica:

Pobres não são os que têm pouco. São os que querem muito! Eu não vivo na pobreza, vivo com austeridade, com a renúncia. Preciso de pouco pra viver.

Vamos investir primeiro em educação, segundo em educação, terceiro em educação. Um povo educado tem as melhores opções na vida, e é muito difícil que os corruptos mentirosos os enganem.

Se eu tivesse muitas coisas, teria que me ocupar com elas. A verdadeira liberdade está em consumir pouco.

O poder não muda as pessoas, só revelam quem realmente são.

A vida me golpeou. A vida me deu um deslize, tudo isso. A vida tem muitas coisas amargas, mas também oferece revanches. O problema é saber viver com continuidade e ter a capacidade de se levantar, depois de ter caído.

Leia mais: http://www.mensagenscomamor.com/frases-de-famosos/frases_jose_mujica.htm#ixzz3Yjtfu3e1

Este vídeo do youtube mostra Mujica em seu fusca:

A visão wabi-sabi e sua capacidade de realizar profundas mudanças de vida

Wabi-sabi representa uma visão de mundo proveniente da cultura japonesa, originária dos ensinamentos do Zen Budismo. Aplica-se de uma forma abrangente, mas principalmente através de uma visão estética centrada na aceitação da imperfeição e transitoriedade das coisas. As características estéticas do wabi-sabi podem ser estranhas aos nossos olhos ocidentais, habituados a formas perfeitas, harmônicas, grandiosas… Já o conceito wabi-sabi valoriza aspectos como a assimetria, a aspereza, a rugosidade, as irregularidades, a simplicidade, economia, austeridade, modéstia, intimidade e valorização da integridade ingênua de objetos e processos naturais. Esta apreciação estética está presente em vários elementos culturais japoneses, como no ritual da cerimônia do chá (chanoyu), na prática do ikebana e na arte do bonsai. Estas práticas requerem disciplina e técnica, e o resultado do trabalho do artista busca evocar emoções profundas no observador.

O termo wabi

Wabi descreve o sentimento de coisas que são naturais e simples. Denota simplicidade, silêncio, aquilo que tem sua própria beleza rústica. Inclui tanto o que é feito pela natureza quanto o que é feito pelo homem. Wabi também pode significar um elemento de desgaste acidental ou criado pelo acaso, que dá elegância e exclusividade para o todo, como o padrão feito por um esmalte fluindo ou uma trinca em um pedaço de cerâmica. 4f823-sang-bleu_kintsugi

O termo sabi

Sabi refere-se a elementos cuja beleza resulta da ação do tempo, como líquens, musgos e rugosidades encontrados em uma velha casca de árvore ou pedras, por exemplo. Mudanças que ocorrem em um objeto através do uso também tornam o objeto mais bonito e valioso. Tais detalhes demonstram a valorização dos ciclos da vida, o cuidado de consertar as coisas que sofreram danos.autumn20135 Imperfeição

Wabi-Sabi ocupa a mesma posição no conjunto de valores estéticos japoneses que os ideais gregos de beleza e perfeição ocupam no Ocidente. A Imperfeição é artisticamente valiosa na filosofia wabi-sabi. Imperfeição esta que não significa desleixo, ao contrário. A Imperfeição deve ser controlada pelo artista, com a expressão final de uma aparência natural, mas planejada e conduzida. Tomando a arte do bonsai como exemplo, visualizamos facilmente que este é um conceito totalmente diferente da topiaria, uma prática de jardinagem ocidental que utiliza podas constantes para dar formas geométricas ornamentais às plantas, mas com resultados bastante artificiais.

boj3-400x225

topiaria de arbustos

Tomando por base estes conceitos e vendo como estes influenciam a sociedade japonesa como um todo, rapidamente percebemos como nossa cultura ocidental, com seus valores e padrões, tende muitas vezes a desprezar a beleza wabi-sabi da natureza humana. Pessoas idosas podem ser tratadas como ultrapassadas, feias, enrugadas, fardos a serem carregados o mais brevemente possível. Pelo mesmo princípio, nos castigamos psicologicamente quando não conseguimos ter o “casamento perfeito”, os “filhos perfeitos”, manter o “emprego perfeito”, e ao mesmo tempo sermos belos, atléticos, bem sucedidos e com uma vida social ativa. A responsabilidade a que nos submetemos é cada vez maior, e quando começamos a desenvolver alguma consciência sobre a situação, somos rapidamente taxados de preguiçosos e  fracassados.

O conceito wabi-sabi defende justamente a singularidade do ser e a valorização de todas as etapas da vida, ressaltando tudo o que foi esculpido pela ação natural do tempo, e, por isso mesmo, torna-se absoluto. Na decoração, não faltam exemplos que ilustram o termo, como aquela velha poltrona com o couro manchado pelo sol, as porcelanas riscadas da sua avó, ou então o espelho embolorado pelo vapor do banho. Convidamos você a abandonar o perfeccionismo estressante e permitir-se ao wabi-sabi, afinal, apreciar a imperfeição é uma arte.
wabi2